10 considerações a ter antes de comprar casa

10 considerações a ter antes de comprar casa

Comprar casa não é uma decisão que se tome de ânimo leve. Hoje em dia, face aos valores dos arrendamentos, muitos portugueses optam por avançar para a compra de casa própria, mas nem sempre estão cientes das considerações a ter antes de dar o grande passo.

Para tornar este processo mais simples, reunimos um conjunto de tópicos que deverá ter em conta antes de comprar casa.

1- Situação Profissional e Disponibilidade Financeira

Avaliar a sua situação profissional e disponibilidade financeira para comprar um imóvel é o primeiro fator a ter em consideração para tomar uma decisão ponderada.

É importante ressalvar que a economia é cíclica e, por isso, é difícil prever o que acontecerá a longo prazo. Contudo, antes de avançar para a compra de uma casa, deverá avaliar a sua estabilidade profissional atual, tendo em conta qual seria a sua disponibilidade financeira em caso de desemprego.

Ao fazer estes cálculos irá perceber qual o valor que tem possibilidade de suportar com os encargos de um novo imóvel. Lembre-se também de que, para além da prestação, terá outras despesas como o IMI (Imposto Municipal sobre Imóveis), os seguros e o condomínio.

2- Localização do Imóvel e Vizinhança

Sabia que o preço do IMI e da água variam consoante o município onde vive? É importante estar ciente destes valores, a fim de não ser apanhado desprevenido.

No entanto, uma boa localização, rodeada de serviços e infraestruturas como escolas, hospitais e transportes, para além de mais conveniente para si enquanto lá morar, facilitará o processo de venda no futuro.

É também muito importante que perceba como é a vizinhança. Cada vez existem mais casos de proprietários que vendem os seus imóveis ou decidem alugá-los simplesmente porque têm vizinhanças desordeiras ou até mesmo porque existem elevadas taxas de criminalidade na zona. Para além de falar com os seus futuros vizinhos, poderá sempre ligar para a esquadra da Polícia de Segurança Pública da área onde quer comprar casa e questionar sobre a frequência deste tipo de ocorrências.

3- Ónus sobre o Imóvel

No que respeita a dívidas, todos os cuidados a ter são poucos, por isso, para saber se existem ónus financeiros ou de propriedade, dirija-se à Conservatória do Registo Predial ou aceda ao Registo Predial Online e adquira a Certidão de Teor.

Para além de todos os registos associados à habitação, como penhoras ou hipotecas, ficará também a saber se está garantidamente livre de herdeiros ou se existe algum contrato de arrendamento ou de usufruto por terceiros. No caso de existir uma hipoteca, esta deverá ser cancelada antes da compra da casa pois, se não for, irá assumir uma dívida que não lhe pertence.

Relativamente aos ónus fiscais e a saber se o IMI está em dia, poderá solicitar nas Finanças toda a informação sobre os impostos obrigatórios.

4- Condomínio

Muitas vezes a questão do pagamento do condomínio é esquecida aquando da compra de um novo imóvel e acaba por representar uma despesa inesperada no orçamento dos proprietários.

Assim, é importante que tenha em consideração que espaços e equipamentos comuns como piscina, jardins, parques e até elevadores, deverão ser levados em conta. Face a tudo isto, não se esqueça de procurar saber qual a prestação mensal do condomínio que terá de pagar.

Não se esqueça também de exigir prova de pagamentos em dia das quotas do condomínio por parte de quem está a vender a casa.

5- Certificação Energética

O Certificado Energético é, por lei, cedido pelo vendedor do imóvel. Este documento é um indicador dos gastos médios que irá ter com o consumo de energia, para um bom nível de conforto, na sua nova casa.

É importante verificar, ainda, a qualidade das portas e janelas, a existência de painéis solares e a exposição solar da casa. Se for virada a Norte, irá apanhar menos sol, pelo que precisará de consumir mais energia para manter a casa quente e terá, igualmente, mais problemas de humidade.

6- Estado de Conservação (interior e exterior)

Tenha atenção à qualidade dos materiais e estado de conservação dentro e fora do imóvel, pois os custos de manutenção e reparação são bastante elevados e ficarão a cargo dos condóminos. Por isso, lembre-se de verificar a existência de fissuras, azulejos partidos ou em falta e sinais de humidade.

Dentro de casa, para além dos mesmos sinais, verifique o estado das instalações feitas (água, gás e eletricidade), o estado dos armários da cozinha e casas de banho, chão e rodapés.

7- Plantas do Imóvel

Para além dos ónus já mencionados, é importante verificar todas as plantas, junto da Câmara Municipal, a fim de perceber se a obra foi legalizada e se tem licença de habitabilidade.

Áreas construídas sem autorização, como sotãos, anexos ou piscinas, podem implicar custos extra de licenciamento ou, em último caso, de demolição, por isso verifique toda a documentação da casa antes de avançar com o processo de compra.

8- Tipologia de Imóvel

Depois de definir o montante que está disposto a investir na nova habitação, deverá decidir sobre o tipo de casa que pretende comprar.

É bastante comum, principalmente entre as camadas mais jovens, optar-se por uma casa mais pequena e, consequentemente, mais barata. No entanto, é prudente considerar se será apenas uma solução a curto prazo ou se, pelo contrário, continuará a ser adequada no futuro, mesmo que a família aumente.

Se optar por um imóvel usado, analise o estado do mesmo e a data de construção, para decidir se há necessidade de fazer obras ou remodelações. Por vezes, o custo total da compra e respetivas obras poderão não compensar face à aquisição de uma casa nova.

Caso decida comprar uma casa nova, faça uma pesquisa sobre a empresa de construção e tente saber mais sobre outras obras que tenham sido feitas pela empresa, a fim de perceber os tempos de finalização e analisar a qualidade do trabalho.

9- Crédito Habitação

Se não tem capital próprio e precisa de pedir um empréstimo, considere e compare todas as ofertas das instituições financeiras no mercado a fim de encontrar a mais benéfica para si.

Garanta que escolhe o crédito à habitação com as melhores condições e que menos pressione a sua taxa de esforço, ou seja, a sua disponibilidade financeira para fazer face às despesas do dia a dia após o pagamento das obrigações mensais com os créditos contraídos. A regra é que a taxa de esforço não deve ser superior a 33% dos rendimentos do agregado familiar.

Leia com atenção a Ficha de Informação Normalizada, onde encontra todas as condições de financiamento (montante financiado, prazo, spread e indexante associado, entre outros), assim como a minuta prévia às disposições legais aplicáveis, taxas e restantes obrigações e garantias.

10- Seguros

Existem dois tipos de seguro que terá de considerar aquando da compra de um imóvel: o seguro de vida do crédito à habitação e o seguro multirriscos-habitação.

Ambos são exigidos pelas instituições financeiras como garantia de risco associado ao empréstimo e podem ser feitos com as seguradoras parceiras dos bancos ou com companhias de seguros. Esta última é uma opção que tem vindo a tornar-se bastante popular, pois permite-lhe poupar até 60% por ano.

Há quem ainda defenda que é mais vantajoso contratar os seguros com as parceiras do banco no qual terá o crédito à habitação, pois esta contratação poderá estar associada a uma bonificação no spread.

No entanto, cabe-lhe a si fazer as contas, pois na maioria das vezes, o spread não sofre um aumento e, caso aconteça, a poupança anual no prémio do seguro acabará por compensar o aumento do spread.

1. Seguro de Vida do Crédito Habitação

O Seguro de Vida do Crédito Habitação não é obrigatório por lei, mas é sempre exigido pelos bancos. Este seguro é dirigido aos titulares do empréstimo e visa protegê-los, assim como à instituição financeira, pois cobre o montante em dívida do crédito, em caso de morte ou invalidez total ou permanente e invalidez absoluta ou definitiva.

Assim, caso ocorra alguma fatalidade, o seguro garante que a casa fica paga.

Existem outras coberturas associadas, como proteção em caso de doenças graves, pelo que deverá informar-se junto do seu mediador de seguros sobre qual a oferta que melhor se adequa às suas necessidades.

2. Seguro Multirriscos-Habitação

Este seguro é requerido por lei para frações em propriedade horizontal e é exigido pelas instituições financeiras para a concessão de um crédito à habitação.

Deve ponderar qual o melhor seguro multirriscos-habitação para si, pois este irá proteger a sua casa e todo o investimento que fez na mesma. Como tal, deve analisar também as coberturas facultativas e considerar que tipo de proteção e de coberturas necessita.

As coberturas mais comuns incluem:

  • Danos causados por incêndios, inundações e aluimento de terras, queda de raios ou explosões, ou provenientes de tempestades, ventos fortes ou ciclones;
  • Indemnização devido a furto ou roubo;
  • Riscos elétricos (danos em aparelhos elétricos provocados por curto-circuito ou sobrecarga);
  • Estragos estéticos na fachada do edifício da habitação;
  • Danos derivados de problemas na distribuição de água e rede de esgotos;
  • Demolição e remoção de escombros;
  • Alojamento temporário no caso de privação temporária do imóvel;
  • Responsabilidade civil por estragos involuntários, como por exemplo, a queda de objetos da varanda da casa em pessoas ou veículos;
  • Proteção em caso de fenómenos sísmicos, nomeadamente tremores de terra, erupções vulcânicas ou maremotos. Esta cobertura tem um impacto no prémio que varia de acordo com a localização do imóvel. Por exemplo, se viver nos Açores, uma zona de alto risco sísmico, terá um prémio mais elevado do que uma casa no Norte do país. No entanto, é aconselhável incluir esta cobertura no seu seguro multirriscos-habitação, pois os danos causados poderão levar à perda parcial ou mesmo total do imóvel.

Um seguro multirriscos-habitação é o que protege a sua casa e todo o investimento feito na mesma. Assim, deverá analisar com o seu mediador de seguros o tipo de proteção de que precisa, assim como as coberturas facultativas.

A oferta de seguros neste âmbito é imensa. Assim, é importante que compare as várias soluções existentes no mercado, analisando as coberturas, o capital seguro e o prémio.

Agora que já sabe quais as principais considerações a ter em conta, poderá avançar para o negócio, com certezza.

Share this Post